The Poetry of Cesário Verde

A Poesia de Cesário Verde


Ecos do realismo: Proh pudor!

Todas as noites ela me cingia
Nos braços, com brandura gasalhosa;
Todas as noites eu adormecia,
Sentindo-a desleixada e languorosa.

Todas as noites uma fantasia
Lhe emanava da fronte imaginosa;
Todas as noites tinha uma mania
Aquela concepção vertiginosa.

Agora, há quase um mês, modernamente,
Ela tinha um furor dos mais soturnos,
Furor original, impertinente...

Todas as noites ela, ah!, sordidez!
Descalçava-me as botas, os coturnos,
E fazia-me cócegas nos pés...

Lisboa

Publicado no Diário da Tarde (Porto), 22 de Janeiro de 1874.


Other Poems of Cesário Verde:[Cinismos][A Débil][Desastre][Fantasias do impossível:Esplêndida][A Forca][Humilhações][Impossível][Lágrimas][Merina][Na cidade/A débil][Nevroses/Contrariedades][Num Tripúdio de Corte Rigoroso] [ÓÁridas Messalinas][Provincianas][Sardenta][O Sentimento dum Ocidental][Vaidosa]
[Cesário Verde Main Page][ Home Page]